Ocorrem quando as empresas burlam a legislação trabalhista e previdenciária, impedindo os trabalhadores de usufruírem de direitos previstos em lei.

Trabalho forçado, jornadas exaustivas, condições degradantes e servidão por dívida são graves atentados contra a integridade dos trabalhadores.

Uma das mais perversas formas de violação de direitos humanos. Nessas condições são retiradas das crianças a formação escolar, o desenvolvimento saudável e a cidadania.

Está no art. 3º da Constituição de 1988: “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

A prevenção de acidentes, incêndios e riscos ambientais, programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional, entre outras ações, são obrigações das empresas.

A liberdade sindical, o direito à greve e a busca pacífica de solução para os conflitos coletivos trabalhistas são direitos dos trabalhadores.

Os trabalhadores que atuam na movimentação de mercadorias dentro dos portos brasileiros são alguns dos que mais devem ter os direitos legais garantidos.

Contratações sem concurso público, terceirizações ilícitas e o desrespeito aos direitos dos trabalhadores estão entre os desvios condenáveis em órgãos públicos.